Assentamento e Ifal trabalham para formatar Trilha da Imbiriba em Maragogi
   Severino  Carvalho  │     22 de março de 2017   │     15:26  │  0

Trilha da Imbiriba tem cerca de 3 km de extensão (Fotos: Ifal)

Trilha da Imbiriba tem cerca de 3 km de extensão (Fotos: Ifal)

Moradores do Assentamento Nova Jerusalém, em parceria com o Campus Maragogi do Instituto Federal de Alagoas (IFAL), estão viabilizando a formatação da Trilha da Imbiriba dentro de um remanescente de mata atlântica do Assentamento Nova Jerusalém, pertencente ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

O produto turístico de base comunitária (Tirlha da Imbiriba) será desenvolvido por meio do programa institucional “Minha Comunidade” executado pelos Campi do Ifal em benefício das localidades do entorno.

“Nós precisamos deixar de viver exclusivamente das Galés”, alertou o diretor do Campus Maragogi, Dácio Camerino, ao se referir às piscinas naturais, formações recifais a cerca de 6 km da costa, que são os principais atrativos turísticos de Maragogi.

“O turista gosta também de conhecer a Mata Atlântica. Com isso, queremos gerar renda aos assentados da reforma agrária, através do turismo comunitário”, completou o diretor.

Durante a II Feira Cultural e Agroecológica do IFAL Maragogi, que aconteceu nos dias 16, 17 e 18 de março, os participantes puderam conhecer a Trilha da Imbiriba, que possui cerca de 3 km de extensão e está em processo de formatação na área de reserva natural do Assentamento Nova Jerusalém.

“Professores e alunos dos cursos de Agroecologia e Hospedagem viram de perto que o projeto de construção da Trilha possui viabilidade. O IFAL participa desse processo como articulador, buscando parceiros como o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural). A ideia é ofertar aos assentados o curso de formação de condutor de trilha, que pode ser ministrado em nossas instalações”, explicou a professora do curso de Hospedagem, Lívia Pinheiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A trilha realizada no dia 18 de março ocorreu de forma experimental, tendo em vista que ainda não foi aberta ao público. Participaram estudantes, professores, moradores do assentamento, representantes da prefeitura e do trade turístico local.

Os trilheiros passaram por uma Imbiriba, árvore de aproximadamente 200 anos de existência; pela Lagoa Encantada, incrustada no meio da reserva de mata atlântica, e puderam ter uma vista panorâmica do litoral de São José da Coroa Grande (PE) e de Maragogi. Foi possível também vislumbrar as instalações do Campus Ifal, construído em terras do Assentamento Nova Jerusalém, distrito de Peroba.

Tags:

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *