Monthly Archives: abril 2015

Grupo Aluga-se promove oficinas e exposição em São Miguel dos Milagres
   Severino  Carvalho  │     22 de abril de 2015   │     17:50  │  0

Oficinas são realizadas com crianças no Instituto Yandê (Fotos: divulgação)

Oficinas são realizadas com crianças no Instituto Yandê                                  (Fotos: divulgação)

Até o dia 4 de maio, acontece em São Miguel dos Milagres, Litoral Norte de Alagoas, a exposição “Pelas Terras da Coroa”, organizada pelo Grupo Aluga-se, de São Paulo (SP). Durante o período de residência na cidade alagoana, os artistas Evandro Prado, Giba Gomes e Yara Dewachter vão ministrar oficinas à comunidade local.

As oficinas de arte foram iniciadas na segunda-feira (20) no Instituto Yandê, em parceria com a Funarte.

Além de conhecer a cidade através da troca de vivências com os moradores, discutir com um crítico convidado sobre as experiências da residência, os artistas pretendem, com a exposição, experimentar e explorar os diálogos possíveis de montagem das obras de arte, buscando, assim, a integração com o contexto local.

Todo o trabalho efetuado na cidade de São Miguel dos Milagres será usado na edição de um catálogo que documentará a experiência e, também, as obras geradas durante a estadia do grupo Aluga-se no município. O lançamento do catálogo está programado para o mês de novembro, durante a Feira de Arte PARTE – no shopping Cidade Jardim em São Paulo.

Para os artistas Giba Gomes, Evandro Prado e Yara Dewachter, a relação de troca do que será capturado no período de residência é de suma importância para a formação da arte em si e, também, de cunho social e artístico para a cidade, que ficará na memória com o objetivo do projeto proposto.

“A intenção é, através de uma relação de troca, apresentar outras imagens em uma exposição ao final do período de residência, do que foi vivido na cidade”, pontua Yara Dewachter.

Durante o período de residência em São Miguel dos Milagres, os artistas representantes do Grupo Aluga-se irão se mobilizar para ministrar oficinas artísticas.

São elas:

Trabalhos serão reunidos em catálogo

Trabalhos serão reunidos em catálogo

  • Autorretrato com Yara Dewachter (4 aulas com carga horaria de 8h) – terá um breve histórico do gênero na história da arte, com desdobramentos na arte contemporânea com referências de artistas do ramo. O objetivo é fornecer bases teóricas e práticas para a construção do trabalho de cada um. Uma das técnicas que a artista irá usar será a fotografia e intervenção sobre impressão.
  • Gravura com Giba Gomes (4 aulas com carga horarias de 8 h) – o artista fará um breve conteúdo sobre a história da gravura seguindo para a prática; nesta oficina será apresentado noções básicas de técnicas de gravura usando materiais baratos. Eles desenvolverão um projeto onde irão preparar e imprimir uma pequena edição.
  • Desenho de ferrugem com Evandro Prado (2 aulas com carga horária de 4 horas) – aqui o artista iniciará a oficina com teoria sobre o desenho com outros materiais, citando exemplos na contemporaneidade e no passado; partindo para a prática onde o aluno fará um desenho sobre tecido com pregos molhados – o que será apreciado após cinco dias do curso.

Vale lembrar que as oficinas serão destinadas a até 50 crianças da comunidade de São Miguel dos Milagres. Já a exposição, ou ação pública, será gratuita e aberta para visitação onde serão exibidas as obras produzidas pelos artistas residentes.

Trajetória interestadual

LogA ideia de levar arte e construção artística para cidades fora do eixo Rio-SP não é nova. Os artistas já estiveram realizando residência, em 2012, na cidade de Piatã (BA) que, através do prêmio da Oitava Rede Nacional de Artes Visuais, estabeleceram de forma madura e compreensível um diálogo com os moradores, explorando seus espaços físicos.

Realizaram, ainda, outras exposições ou ações artísticas pelo interior de São Paulo, Paraíba, Paraná e Goiás, e ainda as capitais, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Rio de Janeiro, Campo Grande, Salvador e Brasília.

Com assessoria

>Link  

Hostel: Maragogi no precinho e no conforto de casa
   Severino  Carvalho  │     2 de abril de 2015   │     17:52  │  2

Solemar convida para o Sol Hostel (Fotos: Severino Carvalho)

Solemar convida para o Sol Hostel Maragogi (Fotos: Severino Carvalho)

A guia de turismo Solemar Vasconcelos sempre teve a casa repleta de amigos e parentes. Com o tempo, os filhos foram crescendo e ganhando o mundo. Restou a casa ampla, cheia de quartos. A partir de 2007, ela passou a receber os colegas que vinham de Maceió e do Recife para estudar Hotelaria em Maragogi e a experiência de acolher a fez despertar para um segmento de hospedagem ainda tímido no Litoral Norte de Alagoas: os Hostels ou albergues.

Foi assim que surgiu o Sol Hostel Maragogi, a 200 metros da praia, um lugar para se sentir em casa com comodidade e a preços reduzidos.

“No meu contato diário com os turistas, eles falam que adoram Maragogi e que gostariam de voltar mais vezes aqui. Dizem que só não retornam com mais frequência porque a hospedagem está, a cada dia mais cara”, relatou Solemar.

Um Hostel se caracteriza, justamente, pelos preços convidativos e tem, cada vez mais, ganhado adeptos em todo o mundo. Em Maragogi, é o terceiro estabelecimento deste tipo a abrir as portas de um ano pra cá.

Quarto coletivo tem camas beliche

Quarto coletivo possui camas do tipo beliche

Grande parte do público frequentador é formado por jovens e mochileiros, por isso, também são conhecidos como “Albergues da Juventude”. O Hostel mais antigo do mundo foi criado em 1912 na cidade alemã de Altena. E, segundo o site Yahoo, ainda oferece os seus serviços para viajantes em busca de aventuras.

A estimativa da Hostelling International, maior rede de hospedagem do mundo, é que existam atualmente mais de 4 mil Hostels espalhados em 70 países, gerando, anualmente,  mais de US$ 1,5 bilhão para a economia global do turismo.

Redes e sites de viagens foram criadas e congregam os adeptos dos albergues pelos quatro cantos do planeta, bem como disponibilizam os meios de hospedagem. Por meio da internet, os hóspedes partilham experiências, destinos, amizades.

E partilhar é, certamente, a palavra-chave de um albergue. Os hóspedes dividem quartos, a cozinha, a sala de estar, de serviço, de lazer. No Sol Hostel Maragogi, há três quartos coletivos e três suítes aos que desejam maior privacidade e querem compartilhar do espaço apenas com a família. “Nos quartos coletivos, dividimos homens e mulheres. Foi uma opção minha”, salientou.

Suíte família tem cama casal e ar-condicionado: maior privacidade

Suíte família tem cama de casal e ar-condicionado: maior privacidade

Os preços das diárias variam de R$ 40, em quatro coletivo com camas beliche e ventilador, a R$ 250 numa suíte com tv de tela plana e ar-condicionado Split. Solemar criou o alguergue construindo um primeiro andar sobre a casa onde sempre morou, na Rua Embaixador Sérgio Vieira de Melo. No térreo, outros três quartos também estão à disposição da clientela.

Conhecida como “Penélope Charmosa”, em função do buggy rosa que conduz garbosamente pelas areias macias e alvas de Maragogi, Solemar oferece passeios turísticos neste tipo de veículo aberto. Por isso, o hóspede pode contratar o serviço no próprio albergue, que dispõe ainda de equipamentos para a prática do Stand Up Paddle (SUP).

Ao leitor que ainda não definiu onde vai se hospedar nesta Semana Santa, está aí uma boa dica. Ainda há disponibilidade de leitos. É só arrumar a mochila e partir!

xxx

Em um hostel, cômodos são compartilhados

 

Serviço

  • Sol Hostel Maragogi – Maragogi, Alagoas
  • Rua Embaixador Sérgio Vieira de Melo, n° 47
  • Contato: (82) 8808-9875 / 9391-2260 / 9662-6322
  • E-mail: solemar_al@hotmail.com

solmaragogi@gmail.com

 

 

 

 

>Link