Monthly Archives: fevereiro 2014

Ainda não definiu onde passar o carnaval? O blog dá as dicas!
   Severino  Carvalho  │     25 de fevereiro de 2014   │     15:27  │  0

Orla dos Corais, na Avenida Senador Rui Palmeira, em Maragogi, é uma das pousadas com disponibilidade para o carnaval (Foto: Severino Carvalho)

Orla dos Corais, na Avenida Senador Rui Palmeira, em Maragogi, é uma das pousadas com disponibilidade para o carnaval (Foto: Severino Carvalho)

O carnaval se aproxima, você já preparou a fantasia, pôs a cerveja pra gelar, mas ainda não definiu qual rumo seguir.

Se deseja passar a folia de momo no encantador Litoral Norte de Alagoas, o blog, com o auxílio do Costa dos Corais Convention & Bureau (CCVB), dá aquela mãozinha na hora de escolher em qual estabelecimento hoteleiro se hospedar.

E é bom se apressar, porque restam pouquíssimas vagas. Segundo o diretor executivo do CCVB, Leandro Lira, a taxa de ocupação dos leitos para o carnaval já se encontra em 90% e a tendência e fechar com lotação máxima. Por isso, aperte o passo e bom carnaval!

Confira, abaixo, a lista de pousadas que ainda têm disponibilidade para o carnaval

MARAGOGI:

– Perova Villa Hotel – 3296.8194 – www.perobavillahotel.com

– Costeira da Barra – 3296.6207 – www.pousadacosteiradabarra.com.br

– Pousada Ecohar – 3296.1530 – www.ecoharyogaashram.com.br

– Pousada Encontro das Águas – 3296.8144 – www.praiaencontrodasaguas.com.br

– Pousada Mariluz – 3296.1511 – www.pousadamariluz.com.br

– Pousada Orla dos Corais – 3296.2552 – www.pousadaorladoscorais.com.br

 

JAPARATINGA:

– Estalagem Caiuia – 3297.1381 – www.estalagemcaiuia.com.br

– Pousada Doze Cabana – 3297.1338 – www.dozecabanas.com.br

– Pousada Igarakuê – 3297.0022 – www.pousadaigarakue.com

– Pousada Vila de Taipa – 3297.1271 – www.viladetaipa.com 

PORTO DE PEDRAS:

-*Pousada dos Ventos – 3298-1301

*Não associada ao CCVB

>Link  

Consultora do Mtur visita a Trilha do Visgueiro e propõe ações
   Severino  Carvalho  │     7 de fevereiro de 2014   │     12:29  │  1

Trilha do Visgueiro é gerida pela Coopeagro (Foto: Severino Carvalho)

Trilha do Visgueiro é gerida pela Coopeagro (Foto: Severino Carvalho)

A consultora do projeto Talentos do Brasil Rural, Andreia Roque, está em Maragogi onde, desde o início da semana, faz uma inspeção técnica à Trilha do Visgueiro, roteiro turístico montado pela Cooperativa dos Pequenos Agricultores Organizados (Coopeagro) no Assentamento Água Fria. O objetivo da visita é conhecer o atrativo de perto, propor melhorias e estabelecer ações futuras voltadas a formatar o produto turístico que será oferecido aos visitantes durante a Copa do Mundo de Futebol da Fifa, em junho.

O passeio, em meio a uma reserva de mata atlântica, foi criado em 2004 pela Coopeagro e se tornou um dos 25 roteiros contemplados com investimentos do Ministério do Turismo (Mtur) e do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para receber turistas durante a Copa do Mundo de Futebol em 2014, por meio do projeto Talentos do Brasil Rural. A escolha foi feita através de chamamento público lançado pelo Sebrae (RS).

“Estamos conhecendo o que foi proposto e sugerindo modificações para que o produto apresentado tenha viabilidade ao mercado turístico”, explicou Andreia, que na quinta-feira conheceu uma das três vertentes do roteiro: o turismo histórico na fazenda Lavragem e no Engenho Jenipapo, palco da Guerra dos Cabanos (1832 e 1836), movimento restaurador cujo objetivo era restituir ao trono do Brasil o imperador dom Pedro I.

Colaboradora da Coopeagro, a missionária italiana Miriam Zendron explica que o roteiro tem, ainda, outras duas vertentes: a trilha propriamente dita e o turismo rural no Assentamento Bom Jesus, onde visitantes podem conhecer de perto a produção da agricultura familiar e se banquetear com as comidas da roça.

Andreia visitou a trilha, o assentamento Bom Jesus e as fazendas Lavragem e Janipapo (Carlos Rosa)

Andreia visitou a trilha, o assentamento Bom Jesus e as fazendas Lavragem e Janipapo (Carlos Rosa)

“O turista, sobretudo o estrangeiro, quer conhecer como nasce e é cultivado o abacaxi. O Assentamento Bom Jesus é um exemplo dos resultados benéficos trazidos pela reforma agrária: é um verdadeiro jardim, com plantações por todos os lados”, afirmou Miriam Zendron. A visita técnica teve o acompanhamento da coordenadora do Programa de Arranjos Produtivos Locais (PAPL) Costa dos Corais, Larissa Borsato.

“O turismo rural traz para o destino um público diferenciado que pensa na sustentabilidade e que só tem a agregar. É, por outro lado, um nicho de mercado muito interessante para as empresas aqui estabelecidas”, observou Larissa.

Segundo a consultora do Mtur, o roteiro pode trabalhar com três tipos de turista. O primeiro deles são os internacionais que vêm assistir aos jogos e receberão material de divulgação dos 24 roteiros do Brasil Rural, distribuídos num raio de até 300 km de distância das sedes da Copa do Mundo.

Serão promovidas, também, rodadas de negócios para comercialização dos destinos com as empresas e agências de viagem. O segundo público-alvo serão os próprios brasileiros que, durante o torneio, desejem fugir da agitação das cidades-sede.

Por último, o roteiro buscará as atenções da imprensa internacional através da realização de famtours. “Os jornalistas esportivos costumam em suas reportagens mostrar também a cultura e os atrativos locais. Eles não vão passar o tempo todo falando apenas de futebol”, observou Andreia, de olho da mídia espontânea que pode ser gerada com a Copa do Mundo.

0602 - Irma Mirian Coopeagro em Maragogi (CR) 01

Missionária Miriam Zendron diz que Trilha do Visgueiro reúne três atrativos: turismo ecológico, rural e histórico (Carlos Rosa)

 

Dentre as ações futuras, foi ventilada a proposta de criação do Núcleo de Turismo Rural, um entidade representativa do setor em Maragogi, diante das suas inúmeras potencialidades existentes no município, além do turismo de sol e mar já tão bem conhecido.

 

Tags:,

>Link  

Iphan retoma pesquisa arqueológica em Porto Calvo
   Severino  Carvalho  │     6 de fevereiro de 2014   │     11:38  │  2

Escavações em busca de resquícios da época das invasões holandesas (Fotos Carlos Rosa)

Escavações em busca de resquícios da época das invasões holandesas (Fotos Carlos Rosa)

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Alagoas, retomou, esta semana, o trabalho de pesquisa arqueológica em Porto Calvo, na região Norte do Estado. As sondagens se estenderão até Porto de Pedras em busca de resquícios do período colonial (século 17).

O trabalho é desenvolvido por meio de convênio entre a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Arquelog Pesquisas (empresa contrata pelo Iphan/AL) e prefeitura municipal.

“Trata-se de um trabalho de resgate da história de Porto Calvo, de Porto de Pedras e do Brasil. Essa região foi tomada pelos holandeses, retomada pelos portugueses; tomada e retomada novamente em batalhas sangrentas, como a de Mata Redonda e do rio Comandatuba. Estamos em busca desse passado”, explicou a técnica de campo da Arquelog, Doris Walmsley.

A pesquisa é coordenada pelos arqueólogos Veléda Lucena e Marcos Albuquerque, o mesmo que coordenou os trabalhos arqueológicos que descobriram, em 2000, no Recife, a primeira sinagoga das Américas. As escavações se concentram, inicialmente, às margens do histórico rio Comandatuba, mas nenhuma evidência foi encontrada, por enquanto.

“Há muito tempo atrás eu já encontrei três balas antigas dentro do rio, quando fui tomar banho. Aí dentro tem muita coisa bonita para se descobrir”, atesta dona Maria Vandeci Alves da Silva, 74 anos, que assistia ao trabalho de escavação.

“Existem referências que em 1637 existiam aqui dois fortes e outros dois redutos. Nosso trabalho inicial é identificar esses sítios e levantar o potencial arqueológico da região. Uma vez identificados esses sítios, aprofundaremos os estudos”, relatou Doris.

Ela lembrou que o trabalho arqueológico foi iniciado em maio do ano passado, mas teve de ser suspenso um mês depois por conta das chuvas e só retomado esta semana. A pesquisa vai seguir o curso do Rio Manguaba em direção ao mar de Porto de Pedras, por onde escorria o grosso da produção açucareira da época em grandes barcaças e por onde chegavam suprimentos e armas.

Doris vem recebendo o apoio de Monteiro para quebrar a resistência dos moradores das áreas pesquisadas

Doris vem recebendo o apoio de Monteiro para quebrar a resistência dos moradores das áreas pesquisadas

A técnica observou, entretanto, que a pesquisa sofre resistência de alguns moradores das áreas estudadas. “Como aqui na região já foram encontradas botijas (duas em Maragogi e uma Japaratinga), as pessoas se negam a prestar informações. Nossa chave para abrir os caminhos é seu Adelmo. Ele conhece todo mundo e isso facilita nosso trabalho”, afirmou Doris.

Adelmo Monteiro é o diretor de Cultura de Porto Calvo, um entusiasta que auxilia os técnicos durante as pesquisas, apontando os locais onde possivelmente existem os sítios arqueológicos. Ao longo do tempo, Adelmo coleciona artefatos encontrados por populares no solo da terra de Calabar. Ele pretende doá-los ao município para a montagem de um museu e para pesquisas.

Fonte: Sucursal Maragogi / Gazeta de Alagoas

>Link