Botija é encontrada em Japaratinga
   Severino  Carvalho  │     25 de dezembro de 2013   │     12:28  │  2

Moedas são patacões com alusão a D. João VI (Fotos Carlos Rosa)

Moedas são patacões com alusão a D. João VI (Fotos Carlos Rosa)

Além de belezas naturais sem igual, a Costa dos Corais alagoana guarda uma rica história que, vez por outra, aflora da terra. Em dez anos trabalhando na Sucursal da Gazeta de Alagoas em Maragogi – completados no próximo dia 28 de dezembro – tive a oportunidade de cobrir o achado de três botijas: tesouros antigos guardados geralmente em potes de cerâmica, numa época em que não existia banco.

Dois desses tesouros foram achados em Maragogi, em 2004, e um outro em Porto de Pedras, em 2006. Mais um capítulo dessa história foi revelado esta semana, quando moradores de Japaratinga encontraram diversas moedas antigas espalhadas no Alto da Torre. Confira reportagem da Gazeta de Alagoas, produzida por este blogueiro.

Moradores do Alto da Torre, em Japaratinga, a 120 km de Maceió, no Litoral Norte do Estado, encontraram dezenas de moedas antigas que fariam parte de uma botija. O tesouro foi encontrado acidentalmente por operários que faziam a instalação de uma rede de distribuição de água. Em sua maioria, as moedas são patacões de 960 réis com alusão a Dom João VI, os mesmos encontrados há nove anos em ruas de Maragogi, cidade vizinha.

Os moradores de Japaratinga contam que quem primeiro encontrou o tesouro, na manhã da última segunda-feira, foi uma adolescente. Como a comunidade é pobre e desprovida de rede de saneamento, a menina teria procurado um terreno baldio para se aliviar quando notou as moedas no chão. Logo a notícia se espalhou e um alvoroço tomou conta da localidade.

Com pás, enxadas e outras ferramentas, os moradores começaram a remover o terreno como formigas operárias. Segundo os relatos, uma mulher por nome de Maria teria encontrado, pelo menos, 40 moedas e deixado o município com receio de ter o tesouro confiscado pelo poder público, a exemplo do que ocorreu em Maragogi, em 2004.

Moradores escavam terreno em busca de moedas

Moradores escavam terreno em busca de moedas

Na manhã de terça-feira, ainda era grande o movimento de pessoas que escavavam as ruas de chão batido do Alto da Torre, onde a prefeitura executa uma obra de abastecimento de água. Acredita-se que o operador da máquina retroescavadeira extraiu a botija e, sem perceber, espalhou as moedas com a pá carregadeira por diversos pontos do terreno.“O Natal de todo mundo vai ter peru na mesa, graças a Deus!”, comemorava o servente de pedreiro José Arnaldo da Silva, 33 anos. Ele e um amigo encontraram duas moedas e já tinham compradores certos. “Um turista ofereceu R$ 400, mas tem outro cara de fora que botou R$ 600. Quem pagar mais, leva”, enfatizou o operário, exibindo com orgulho e alegria o patacão.

As moedas encontradas em Japaratinga, em sua maioria, datam de 1810 e 1816. Os patacões são da época do Brasil – reino e fazem alusão a D. João VI, que para aqui fugiu junto com toda a sua Corte, acossado pelas tropas de Napoleão Bonaparte, após a tomada de Portugal. A Gazeta tentou manter contato com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), mas foi informada, por telefone, que os funcionários estavam em recesso natalino.

Tags:,

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Plinio

    Bela materia Severino! É como vc diz no texto, a história “aflora” nesta região. Os orgãos responsáveis pelo patrimonio histórico deveriam se antecipar e realizar um estudo para que a história seja resgatada e preservada, e não saqueada!

    Reply
  2. Satchel

    Fue un juego la mar de divertido. Yo me perdí en algún blog y no supe seguir. Supongo que es porque no los conozco todos. Una feaicitlción para recordar toda la vida

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *