Uma luz sobre Palmares
   Severino  Carvalho  │     1 de abril de 2013   │     19:24  │  2

Serra da Barriga, em União dos Palmares, reduto comandado pelo líder Zumbi (Fotos: Severino Carvalho)

Serra da Barriga, em União dos Palmares, reduto comandado pelo líder Zumbi (Fotos: Severino Carvalho)

Morei em União dos Palmares de 2001 a 2003. Fui residir na terra do poeta Jorge de Lima em razão da profissão de jornalista, onde desempenhei a função de repórter da Sucursal da Gazeta de Alagoas. Ali, dei os meus primeiros passos no jornalismo impresso, depois de graduado.

Na vida cotidiana, fiz amizades sinceras em União e, por isso, sempre volto ao município para rever os bons e velhos amigos. Quando morava por lá, minha residência tinha, do quintal, uma vista privilegiada de uma das faces da Serra da Barriga, coração do Quilombo dos Palmares, maior refúgio de negros sublevados das Américas, onde viveram mais de 20 mil pessoas, entre 1597 a 1695, sob o comando dos líderes Ganga-Zumba e Zumbi.

Subi a Serra da Barriga diversas vezes, em datas especiais como o 20 de novembro (Dia da Consciência Negra) e em dias comuns. “Mas não tem nada o que se ver lá em cima”, retrucavam algumas pessoas; pasmem, a maioria moradoras do próprio município.

Posso afirmar que em todas as ocasiões senti a emoção de estar em lugar único no planeta. Ali existe história, a história do Brasil que nasceu índio e que se fez negro e pelas mãos deste. Pesquisas arqueológicas mostraram que antes mesmo da chegada dos escravos rebelados, o lugar fora ocupado pelos indígenas. Fragmentos cerâmicos produzidos pelos dois grupos étnicos foram e ainda podem ser encontrados no chão de Palmares.

Ficava matutando lá do quintal de casa e quando estava com os pés sobre o platô da Serra: “Como pode o poder público não conseguir preservar, fomentar e manter viva toda essa riqueza histórico-cultural afro-brasileira? Como pode União dos Palmares não desfrutar das riquezas geradas a partir desta atividade turística ainda tão tímida no município? Como pode parte de sua gente desconhecer a própria história?

Vivenciei de perto a luta das entidades negras palmarinas travadas para, naquela época, fazer com que o governo do Estado priorizasse a Serra da Barriga como centro das festividades alusivas ao 20 de novembro; para que Zumbi fosse reverenciado, em terras palmarinas, não só na data maior, mas durante todo o ano e para que a Fundação Palmares deixasse de gerir todo aquele patrimônio de forma remota, lá do Planalto Central, centrando definitivamente os pés em União.

Assisti e escrevi sobre a revolta dos cidadãos palmarinos quando o governo do Estado, à época, desperdiçou quase R$ 300 mil numa vila cenográfica em terras particulares, desprezando o solo sagrado da Serra da Barriga. A vila, assim como o dinheiro público, desapareceu. Também testemunhei a cobrança para que as pesquisas arqueológicas tivessem seguimento e trouxessem resultados práticos, expondo os achados em União dos Palmares.

Lembro ainda da reivindicação principal e recorrente: a melhoria do acesso íngreme à Serra. Tentativas de melhorá-lo até foram feitas, mas sem atentar aos cuidados técnicos de se realizar intervenções em um sítio arqueológico. Muitos artefatos se perderam, carreados pelas pás das motoniveladoras.

No presente, a estrada que leva ao coração de Palmares, a 500 metros de altitude, ainda não é das melhores. No platô, o governo federal construiu o Parque Memorial Zumbi dos Palmares que passa, no momento, por uma revitalização iniciada em janeiro e que deve ser finalizada em junho.

Quando o parque estava em operação, era possível conhecer, em quatro idiomas, por meio de ilhas dotadas de equipamentos de áudio, um pouco da história do Quilombo dos Palmares. Mas, antes mesmo da intervenção, o parque já funcionava de forma precária. Numa manhã de domingo, subi a Serra com um grupo de amigos e não encontramos um guia sequer. As estruturas onde deveriam funcionar os restaurantes e lanchonetes estavam vazias. Soube que o poder público deveria fazer a licitação para o uso e funcionamento daqueles espaços, coisa que nunca fez.

Um fio de luz porém começa a iluminar a Serra da Barriga e toda a região por onde se irradiou Palmares. Por meio da Instância de Governança da Região dos Quilombos, poder público e atores privados dos municípios de União dos Palmares, Murici, Ibateguara, São José da Laje e Viçosa, buscam, enfim, desenvolver o turismo de forma regionalizada, lastreado na riqueza histórica, cultural e natural desta parte do Estado de Alagoas.

É sobre as ações específicas deste modelo de gestão descentralizada do turismo, implantado no País pelo Ministério do Turismo, e os projetos para tirar do ostracismo a região dos Quilombos, que tratarei na próxima postagem.

Tags:, ,

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Jacineide Maia

    Parabenizo ao Jornalista Severino Carvalho pela belissima reportagem sobre O Parque Memorial Quilombo dos Palmares,descrita com profissionalismo e riqueza de detalhes.
    Precisamos juntar esforços para o fortalecimento do Destino turistico Região dos Quilombos através da Instância de Governança ,muitos desafios terão que ser vencidos,todavia, a participação de cada um de nós o fará sem duvida um dos Destidos mais belo de Alagoas,aglutinando ao roteiro sua inesgotavel riqueza historico-étnico-cultural-religioso o turismo ecológico-de aventura e observação de aves.Precisamos acreditar no nosso potencial.
    Saudações Afro
    Jacineide Maia
    Secretária de Turismo de União dos Palmares

    Reply
  2. Manoel dos Passos Vilela VÔ

    Olha meu grande jornalista Severino Carvalho, venho em nome de todos os viçosenses parabeniza-lo por este grande trabalho histórico sobre nosso lider Negro. Temos outros filhos de Viçosa, a exemplo de Aloisio Vasconcelos Vilela(luizito), Aldo Rebelo, Alfredo Brandão e…fazem com que a história do Quilombo dos Palmares e a Serra Dois Irmãos sejam lembrados para que nosso jovens estudante e tantas outras pessoas conheçam um pouco da vida do nosso líder Quilombola.Parabéns em nome de todos os conterrâneos .

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *