Bravos homens do mar
   Severino  Carvalho  │     25 de fevereiro de 2013   │     18:55  │  1

Pescador arremessa a rede nas águas do Persinunga

Remexendo meu arquivo fotográfico arranquei do fundo do baú digital, empoeirado por partículas mil de pixels, imagens que retratam os bravos homens do mar, em pleno o labor na APA Costa dos Corais.

Jangada singra o mar de Barra Grande, Maragogi

Pescadores que são, esses seres de tez maltratada pelo sol e pelo sal, arriscam suas vidas diariamente. Deixam em terra seus medos, amores, para singrar os mares em viagens que duram dias, noites. E voltam à terra firme trazendo o produto de um trabalho que requer, antes de tudo, coragem.

Depois da pescaria, a guarda dos apetrechos

Nesses nove anos reportando os acontecimentos do Litoral Norte de Alagoas e Sul de Pernambuco, presenciei histórias incríveis de naufrágios que resultaram em mortes, mas que também exaltam a vida em relatos extraordinários de sobreviventes.

No mar, eles ganham asas

No contanto direto com os pescadores, aprendi valores como disciplina, desprendimento, abnegação, respeito à natureza. Aprendi, sobretudo, a ouvir; a escutar histórias com “H” (maiúsculo) para depois recontá-las com os caracteres de um alfabeto inteiro, espalhando garrafas ao mar.

O desembarque com o cesto repleto de peixes

 

 

Tags:

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Severino Cassiano Ferreira

    Ver esta mar tão bonito da nossa Barra Grande, vislumbra os pescadores de hoje,faz-me lembrar os tempos idos e saudosos quando víamos logo cedo as jangadas (feitas de paus de jangadas) adentrando o mar e à tardinha,parecendo lindas gaivotas surgindo ao longe,para a praia, com peixes,para alegria de todos. Hoje, ainda alguns pescadores,lançam ao mar suas embarcações, tentando conseguir o sutento dos seus familiares.Quem não se lembra do Sr Pascoal (meu compadre),famoso pescador de “bobó, em Barra Grande! Parece que estou sentindo o gosto maravilhoso da “muqueca”,de “bobó”. Parabéns pelo seu ótimo artigo,caro amigo Severino Carvalho!y

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *