Santo Daime de Japaratinga: como é produzido o chá
   Severino  Carvalho  │     17 de janeiro de 2013   │     16:11  │  3

O cipó chamado de mariri ou jagube (Banisteriopsis caapi) é cultivado na Flor de Jasmim (Fotos:  Severino Carvalho)

A igreja do Santo Daime Flor de Jasmim, em Japaratinga, passou a produzir em sua área de cultivo o chá usado durante os rituais. “Em todos os trabalhos consagramos o sacramento”, enfatizou Janaína Vieira de Araújo, 29.

A bebida é uma mistura das folhas da planta chacrona ou rainha (Psychotria viridis) e do cipó chamado de mariri ou jagube (Banisteriopsis caapi), que após cozidos resultam numa bebida de gosto amargo e de cor marrom, cuja aparência se assemelha a um café com leite.

Os estudos mostram que o chá leva, em média, meia hora para apresentar os efeitos no organismo de quem o ingere. “Em uma hora, a maioria das pessoas sente bem a força!”. Pode-se sentir um estado meditativo e de relaxamento; às vezes, uma leve euforia e também alterações de percepção. Outro estado possível é a chamada “peia”, um momento de sofrimento espiritual em que a pessoa trabalha questões profundas de sua alma.

“Mas isso varia muito de pessoa pra pessoa, do dia e do local onde é tomado o chá. Porém, como a gente costuma dizer aqui: tudo que não mata, engorda, pois sempre saímos fortalecidos destas situações”, contou Janaína. “O sonho de cada daimista é de se encontrar com a corte celestial, chegar mais perto de Deus e de tudo o que é empreendido em Seu nome”.

A mistura pode também provocar alucinações. Entretanto, nas religiões conhecidas como ayahuasqueiras, como o Santo Daime e a União do Vegetal (UDV), esse efeito é usado para se atingir o autoconhecimento.

“A função do sacramento (ingestão do chá) dentro do ritual é abrir nosso chakras. O chá é um expansor de consciência. A sensação varia muito do estado em que a pessoa estiver mentalmente,psicologicamente. Varia muito de pessoa para pessoa. Eu posso falar por mim. Quando eu consagro o sacramento, me sinto muito bem. Aprendi a olhar a natureza de outra forma, a respeitar as pessoas, ter mais amor aos bichos, às plantas”, comentou Janaína.

A ingestão da bebida pode ainda provocar vômitos, que são considerados
como uma “limpeza espiritual” pelos daimistas. É aconselhável fazer uso somente de comida leve ou até vegetariana no dia em que vai se tomar o
chá.

“Quem vem tomar o daime precisa se livrar de qualquer preconceito. Não tem que achar que vem só rezar a missa, porque se trata de uma religião muito ampla. É uma coisa que envolve teu espírito, tua alma, teus desejos, tuas aflições, a tua matéria, tudo é exigido”, disse uma daimista de 21 anos, natural de Santa Catarina e que pediu para não ser identificada.

O chá é uma mistura das folhas da planta chacrona ou rainha (Psychotria viridis) e do cipó mariri

Um alerta importante. “Uma coisa que muitas pessoas acham é que o daime pode ser usado como droga para fazer uma viagem. Não pode! Ninguém consegue tomar o daime como uma droga. Já tem gente que veio aqui com outras intenções, de sentir um ‘barato’, tomou e não sentiu nada, saiu frustrado”, completou Janaína.

A preparação da bebida é feita ali mesmo, próximo à igreja, em um grande caldeirão, onde são depositados a água, as folhas e o cipó. “Mistura tudo e deixa ferver por quatro horas, aproximadamente. Mas existe todo um ritual na hora da preparação: os homens cuidam do cipó e as mulheres, das folhas.

“Faço em pouca quantidade porque aqui o núcleo é pequeno, frequentado por no máximo 15 pessoas. É só para o consumo nosso. Há três meses, começamos a produzir o chá aqui mesmo, quando as plantas já estavam no ponto”, revelou a responsável pela guarda da bebida religiosa.

Cuidados, lições e curas esperituais

O grande caldeirão, onde são depositados a água, as folhas e o cipó. Cozimento dura 4 horas

No Trabalho de Cura, a religião do Santo Daime auxilia os enfermos a vencer as moléstias, e os dependentes químicos a se livrarem do vício, principalmente do álcool. “A prece e a luz na sombra em que a doença se instala”, ensina a religião, destacando que “toda cura espiritual lança raízes sobre a força do amor”.

Janaína Vieira, entretanto, lembra que a doutrina adota alguns cuidados e faz
restrições ao uso do chá por pessoas possuidoras de doenças psiquiátricas. Antes de participar da sessão, todos os iniciantes passam por uma entrevista em que informa o histórico pessoal e o eventual uso de certos remédios, como os de tarja preta, bem como passagens por clínicas psiquiátricas e afins.

Em alguns casos, o interessado é aconselhado a não ingerir o chá. Três dias antes das celebrações, todos devem ficar sem ingerir bebidas alcoólicas e, se for possível, manter abstinência sexual. O ideal é vivenciar um dia tranquilo e sem estresse antes das sessões.

Usuários de drogas ilícitas também não podem tomar o chá. “A gente conselha que essas pessoas que fazem uso de drogas se desintoxiquem, para só depois tomarem o daime”, explicou. “Já tivemos duas pessoas viciadas em crack que conseguiram manter-se longe da droga e se livraram da dependência”, revela Janaína.

“Outros pararam de fumar ou tomar bebidas alcoólicas. O daime procura e trabalha nas feridas que são escondidas dentro das pessoas. Já vieram aqui pessoas que foram torturadas fisicamente ou abusadas sexualmente na infância e que tentam ‘trabalhar’ e curar, com a ajuda do daime, estes traumas profundos”, explicou.

O eletricista Alexandro Santos da Silva é um dos que conseguiram se afastar do álcool. “Eu não queria saber de religião, de igreja. Meu negócio era festa e sempre quando ia para a farra, brigava. Bebia muito. Depois que passei para o Santo Daime, meus caminhos se abriram. Hoje eu me sinto tão bem aqui que não tenho vontade nem de sair de dentro da igreja. Encontrei conforto. Agora, estou tentando recuperar meu irmão, para que ele pare de beber e fumar. A cachaça está fazendo mal a ele e ele não está percebendo”, relatou Santos.

A morte Glauco

Tiago de Paula: “O preconceito surge justamente por não conhecer a doutrina”

Os daimistas da Flor de Jasmim não acreditam que o uso religioso do santo-daime tenha alterado o estado psíquico do estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o “Cadu”, 24, fazendo-o assassinar o cartunista Glauco Villas Boas, 53, e o filho deste, Raoni, 25. Para Janaína, Cadu já era uma pessoa perturbada.

“Uma pessoa que diz que é Jesus Cristo não pode ser normal e com certeza não foi o chá que fez aquilo. Ele já era uma pessoa perturbada”. Indagada se tem medo de acontecer com ela algo semelhante, de ser vítima da violência, respondeu: “Acho que cada um tem seu destino. O medo distancia o homem de muitas coisas. Todo mundo vai fazer sua passagem um dia, não adianta”.

O bancário gaúcho Tiago de Paula, 32, daimista há sete anos, prefere tirar lições da tragédia envolvendo Glauco. Para ele, a morte do cartunista
– por mais dolorosa que tenha sido – acabou contribuindo para a desmistificação da doutrina.

“O preconceito está diminuindo. Muitas pessoas, depois desse episódio, viram como a religião é algo sério. Mostrou a seriedade da doutrina, a base sólida. Uma vida mais saudável, corpo, mente e espírito”. Tiago acredita que mais do que preconceito, existe desinformação sobre o Santo Daime.

“O preconceito surge justamente por não conhecer a doutrina e sempre
vai acontecer, mas vem diminuindo, porque cada vez mais a religião ganha novos adeptos. São pessoas como médicos, psicólogos, advogados, professores, policiais. São indivíduos de várias classes sociais”, citou.

Na próxima postagem, o que diz a legislação brasileira sobre o uso do daime e o alerta de especialistas. Até lá!

Tags:

>Link  

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Reginaldo

    Quero parabenizar-los pela postagem muito elucidante. Qual a quantidade de rainha , jagube e água pra um bom cha? Gato.

    Reply
  2. Francisco Pereira Neto

    Caros srs : não sei vocês podem me ajudar. Moro em Visconde de Mauá onde há uma comunidade Santo Daime e minha mulher quer conhecer o chá no entanto ela gostaria de tomar o chá em casa e não num templo. Vocês saberiam me dizer como posso adquirir a planta e o modo de preparo ?
    Muito grato.

    Reply
  3. danielly

    Olá, preciso de amostras das plantas que compõem o chá, para um estudo, alguem sabe como posso conseguir?
    obrigada

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *