Um movimento em prol da natureza
   Severino  Carvalho  │     28 de novembro de 2012   │     11:41  │  1

Crianças e adultos das comunidades envolvidas participaram do mutirão de limpeza (Foto: Divulgação)

O Movimento Cidade Verde, Rio Vivo, criado por representantes de entidades públicas e privadas, recolheu, no último final de semana, três caminhões abarrotados de lixo. Os resíduos estavam espalhados pelas praias e manguezais de São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras, destino turístico conhecido como Rota Ecológica, no Litoral Norte do Estado. A atividade finalizou a 2ª edição do movimento que teve início na quarta-feira (21) e foi encerrado no domingo (25).

“Tivemos a participação de mais de 200 pessoas das comunidades, entre adultos e crianças. O lixo que encontramos foi deixado nas praias por banhistas, lamentavelmente. São latas de cerveja e de refrigerante; litros de bebidas destiladas, sacos plásticos, dentre outros entulhos”, lamentou o analista ambiental do Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), Ulisses Santos.

Em Porto de Pedras, o mutirão de limpeza foi realizado no último domingo e concentrou esforços nas praias de Tatuamunha, Lages, Palmeira e na foz do Rio Tatuamunha, onde existe o cativeiro de readaptação do Projeto Peixe-Boi Marinho, mantido pelo CMA e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

No sábado, o mutirão de limpeza foi direcionado às praias de São Miguel dos Milagres: Toque, Riacho dos Milagres, urbana e Porto da Rua. Santos chamou a atenção para o fato de na Praia do Toque quase não existir lixo ao longo da costa. Isso porque os donos de pousadas ali instaladas se reúnem e pagam pelo recolhimento dos resíduos que é feito por uma prestadora de serviço.

“A coleta de lixo feita pelas prefeituras de São Miguel dos Milagres e de Porto de Pedras é deficiente. Os municípios só se preocupam com o lixo urbano, mas não fazem a limpeza das praias”, criticou o analista ambiental. A 2ª edição do Movimento Cidade Verde teve início na quarta-feira (21) por meio da mobilização das comunidades inseridas no projeto. Crianças pintaram e decoraram 53 lixeiras doadas pelo trade turístico. Os coletores foram instalados ao longo das praias visitadas.

Lixeiras doadas por donos de pousadas foram instaladas nas praias de Porto de Pedras e São Miguel dos Milagres

Na quinta e sexta-feira, o Circuito Tela Verde exibiu vídeos de temática ambiental na Praça de Tatuamunha, em Porto de Pedras, e no Pátio do Mercado Público, em Porto da Rua, em São Miguel dos Milagres. O Movimento Cidade Verde, Rio Vivo foi criado em novembro de 2011 como resultando da paixão e do compromisso de diversos representantes de instituições públicas e privadas que atuam na região conhecida como Rota Ecológica, dentre elas o Projeto Peixe-Boi (CMA / ICMBio / APA Costa dos Corais), Instituto Yandê (ONG) e Associação do Turismo do Peixe-Boi.

A origem do movimento, porém, remete às ações de limpeza de praias realizadas desde 2010 e encabeçadas pela equipe da Pousada da Amendoeira. Depois, os mutirões de limpeza foram integrados ao Circuito Tela Verde, atividade de educação ambiental desenvolvida desde 2009 pelo CMA/ICMBio (Projeto Peixe-boi) na região.

“Diversas pessoas têm se somado ao movimento, desde o mais simples pescador ao promissor empresário, todos são personalidades importantes e contribuem para o alcance dos objetivos do grupo: promover ações de conscientização ambiental e articular atores político-sociais em prol do desenvolvimento socioambiental da região”, destacou Santos.

Fonte: Gazeta de Alagoas (Sucursal Maragogi)

 

Tags:

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Carlos Marques

    Infelizmente este, tão lindo, planeta depende de algumas nobres almas para ser salvo do lixo deixado por seres deploráveis e imundos. Gostaria muito que houvesse um movimento semelhante de pessoas de boa vontade por aqui em São Paulo. Com certeza iria participar. Enquanto isso não acontece, vou catando, sozinho, o lixo humano que vou encontrando boiando nas águas de nossas praias. Se alguem souber de algum grupo em São Paulo que tenha a preocupação de limpar a natureza dos dejetos humanos, por favor, me comunique. Abraço.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *