Patrimônio de Maragogi
   Severino  Carvalho  │     2 de agosto de 2012   │     21:36  │  7

Escrevi certa vez nas páginas da Gazeta de Alagoas que se a palavra Maragogi tivesse um sabor, este seria genuinamente de bolo de goma. A guloseima símbolo do segundo polo turístico do Estado, também conhecida como sequilho, é produzida há cerca de quatro décadas no Distrito de São Bento, primeira povoação do município praiano. Converte-se na principal atividade econômica para mais de 60 famílias e é fonte de renda para mais de 500 pessoas envolvidas direta ou indiretamente com a produção e a venda deste quitute, encontrado nas mais finas casas e, ao mesmo tempo, esparramado sobre tabuleiros toscos postos às margens da AL-101 Norte.

Sabe aquele apelo da propaganda que diz: “é impossível comer um só?” Pois bem, parece que foi criado sob medida para esta delícia que adoça a boca dos turistas e já conquista mercados além das plagas alagoanas. Com o incentivo da prefeitura municipal, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/AL) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), os produtores se organizaram em associação.

A instituição (Aspromar), criada em 2009, congrega 20 produtores de sequilhos. A maioria trabalha de forma artesanal e apenas três em escala industrial; chegam a produzir diariamente, cada um destes, cerca de meia tonelada de massa-base. Estados do Nordeste, a exemplo da Paraíba, Pernambuco, Sergipe e Bahia formam os principais mercados consumidores. Recentemente, a indústria começou a abocanhar o mercado paulista.

O bolo de goma sempre figura nos folhetins de divulgação do destino turístico. Como forma de homenagear as belezas naturais de Maragogi assumiu, despretensiosamente, formas de conchas do mar talhadas pelas mãos habilidosas das “boleiras” de São Bento. A guloseima singela, que conquista pelo sabor da genuinidade, é mais do que fonte de renda, é um patrimônio de Maragogi.

Tags:

>Link  

COMENTÁRIOS
7

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Caroline Feitoza

    Primeira vez que tive acesso a publicações suas, e foi impossível não enxergar tamanha paixão pelo mundo das letras e da escrita, texto num entanto admirável. Parabéns, são votos de sua conterânea, Caroline Feitoza.

    Reply
    1. Severino Carvalho Post author

      Caroline, muito obrigado pelo comentário elogioso. Tenho muito orgulho de ser dessa terra Viçosa, que nos ofertou, através de tantos mestres dedicados ao ensino, um bem que não se pode tirar jamais do ser humano: o conhecimento. Maravilha igual foi ter a oportunidade de morar e trabalhar em Maragogi, um lugar mágico, um cenário que se descortina a cada instante, nos dando inspiração.

      Reply
  2. Pollyanne

    Bom saber mais sobre essa iguaria do Litoral Norte, Severo. Os sequilos são ótimos. A gente come um atrás do outro e só para quando acaba. Continue trazendo boas histórias dessa linda região para nós. Seus leitores agradecem.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *